30 de dezembro de 2017

Obrigado


O que escrever nesse último post de 2017? Pensei em falar sobre os preparativos em si, as celebrações desde o Natal até a festa de Réveillon, as típicas situações dessa época de celebrações, mas deixando de lado a psique? O cognitivo?

Talvez, achei que deveria ser pragmático nesta postagem, aproveitar a oportunidade para agradecer a todas as pessoas que fizeram minha existência mais gratificante, muitas das quais aprendi muito com a troca ou contribuições de suas experiências em atendimentos profissionais que realizei e outras em situações de minha vida.

Foram muitas as diferentes contribuições que recebi e que muito significam em todos os aspectos de minha vida tanto profissional como pessoal. Apenas dizer Muito Obrigado não basta.

Quando o Professor Sigmund Schlomo Freud iniciou a sua teoria sobre os primeiros momentos da vida psíquica de um indivíduo enfatizou bem a importância do outro para o sujeito, por razões óbvias: um ser humano, quando nasce, necessita de alguém para cuidar dele, caso contrário não sobrevive, ou seja, somos seres interdependentes.

Estudiosos Psicanalistas concordam que as pessoas que nos acompanham durante nosso desenvolvimento são referências, por exemplo, o Complexo de Édipo, onde o menino tem uma relação dúbia e marcante com os seus pais, em especial com a figura paterna, há uma disputa com o amor e a atenção da mãe, ocorrendo tudo isso no subconsciente e é importante para a formação psicossexual do indivíduo, resumindo essa parte da teoria freudiana.

Assim podemos notar que estamos desde o início de nossas vidas dependendo das pessoas que nos cercam para as mais distintas situações.

Depende do nível de autonomia física e mental em que vivemos podemos precisar que outros realizem atividades nossas fundamentais ou mais complexas, pela minha condição liberta e adulta, possuidor de todas as condições físicas e faculdades mentais salutares necessárias para a condução de minha vida, então, dependo das pessoas que me auxiliem em situações ou tarefas reduzidas, complexas geralmente e deveras importantes.

Mas o que quero salientar é que há pessoas que fazem e fizeram parte da minha vida, durante este ano, não somente oferecendo ajuda complexa, mas para coisas simples também. Evidentemente que nem sempre foi assim, claro que tive decepções e me deparei com pessoas com maior ou menor dificuldade em expressar generosidade.

De acordo com Melanie Klein, psicanalista infantil segundo sua teoria a generosidade decorre da capacidade do sujeito desenvolver o sentimento de gratidão, porque, neste movimento, a pessoa deve reconhecer que não é onipotente a ponto de conseguir tudo sem auxílio de ninguém, nem impotente a ponto de não conseguir nada, sendo assim, eu, como qualquer ser humano estou sempre precisando que o outro me ofereça algo que não produzo sozinho.

“O sentimento de gratidão é uma das mais claras expressões da capacidade de amar. A gratidão é um fator essencial para estabelecer a relação com o objeto bom e apreciar a bondade dos outros e a sua própria”.
Melanie Klein
É a gratidão que me permite não somente agradecer com palavras, mas em atitudes buscar retornar aos outros aquilo que recebo. Ser grato é o oposto de achar que o mundo lhe deve, de achar que não recebeu o suficiente. A gratidão é um sentimento de profundo reconhecimento que alguém ou algo trouxe coisas boas para nossa vida.

Quero aqui expressar minha sincera gratidão a todos que de alguma forma contribuíram para o crescimento desse meu canal e como forma de gratidão trarei importantes novidades para este Blog e também aos atendimentos clínicos que realizo, aprimorando as ferramentas que utilizo para ajudar a resolver as questões que se colocam para encontrar resoluções mais breves e efetivas.

Grato pelo ano de 2017 e que 2018 seja repleto de grandes realizações para todos nós! Feliz 2018!


NAMASTÊ!  GRATO! OBRIGADO!