O Tempo Diminui a Dor

O tempo não descansa, nem rola ociosamente pelos sentidos: pois produz na alma efeitos admiráveis. O tempo vinha e passava, dia após dia. Vindo e passando, inspirava-me novas esperanças e novas recordações.

Pouco a pouco, reconfortava-me nos antigos prazeres, a que ia cedendo a minha dor. Não se sucediam, é certo, novas dores, mas fontes de novas dores. Mas por que me penetrava tão facilmente e até ao íntimo aquela dor, senão porque derramei na areia a minha alma, amando um mortal como se ele não houvesse de morrer?” Santo Agostinho, Agostinho de Hipona – Confissões, 1ª parte, IV, Em louvor da Amizade, 8.13.

Quando falamos sobre o luto, nos ocorre a lembrança da morte, mas não podemos resumir somente a morte como entendemos, a perda de um ente querido. Vivemos o luto em várias ocasiões, é um fenômeno natural e vivenciamos também na perda psíquica, como um rompimento de uma relação amorosa ou na perda de um objeto importante. 

São angustias diferentes em seus pesos, em seus valores, mas são importantes, podem causar outro sentimento chamado de saudade para os falantes do idioma português.

O fato de crescermos, desenvolvermos fisicamente, nos remete a saudade dos outros tempos passados, como a infância ou a adolescência, às experiências findadas, aquela última vez que brincou na rua com os amigos, sem saber que era a última vez ou a ultima vez que saiu com sua namorada, sem saber que esta era a última vez, enfim, “tudo é impermanente (Buda)”. 

A tristeza aparece, nos abate e é importante viver esse momento, não deixar de viver seus sentimentos e emoções, não existe super-homens ou supermulheres, ou seja, supra humanos apáticos, que seriam seres livres de emoções de uma perda ocasionada principalmente de um ente querido que levam a um abatimento temporário. 

Significa o rompimento de um elo importante, que faz parte da transição da vida, um desligamento forçado, mas natural de ocorrer. Seguir sua vida a diante, em frente. 

Viver o hoje e relembrar dos bons momentos vividos, lembrar desses momentos é saudável e faz bem. Para elaborar melhor siga algumas dicas: 

Chorar: a emoção chega, coloque para fora a dor que você sente, chore, faz bem. E entenda que tem o momento e logo passará. 

Saudade: compreenda o que está sentindo no momento, se sentir triste é aceitável, viver triste e constantemente em melancolia é um sinal que se deve ser observado. 

Lembrar: procure lembrar dos bons momentos vividos, agradeça intimamente esse período, lembre das risadas, dos momentos alegres, das reuniões etc. Pense nos momentos felizes e não fique reforçando os momentos ruins. 

Dialogue: fale, converse com alguém sobre os seus sentimentos. Falar, ser ouvida ou ouvido, faz bem, ter apoio nesse momento de quem se tem carinho e amizade é importante e necessário. 

Escreva: coloque no papel o que se sente, o que se passa com você nesse momento, é um desabafo que você escreve. 

Foco: quando perceber que está pensando na dor, no luto, na perda, mude o foco, procure fazer algo que goste, que tenha prazer, distraia-se, procure um amigo ou parente. 

Meditação: ouça músicas e foque na música, deixe os pensamentos virem, mas não foque neles, eles vêm e vão, passeando pela mente, sem se fixar. 

Algo novo: estude ou aprenda algo novo, procure ocupar seu tempo e aumentar o seu conhecimento, procure algo que te alegria e prazer. 

Animal de estimação: acarinhe, cuide, passeie com seu animal de estimação, essa interação é muito boa para a elaboração desses sentimentos mais tristes do luto, é reconfortante e dá energia para enfrentar o resto do dia. 

Ajuda: se a dor estiver difícil de lidar e a ausência dolorosa demais procure, além de seus amigos de confiança, ajuda profissional de um Psicanalista que irá ajudar a elaborar essa questão.

A morte de um ente nos faz lembrar de nossa própria, refletir sobre, que um dia seremos lembranças, então procure fazer o melhor, ser lembrada ou lembrado como uma pessoa que fez algo que tocou positivamente as outras pessoas, a história delas, que nossa memória seja lembrada com carinho e respeito. 

Viva um dia de cada vez, como Santo Agostinho nos diz que o tempo ajuda a diminuir a dor e a morte não leva as lembranças e sim as coisas tangíveis, as lembranças são nossas e nada nos desliga delas.